Cálculo Seguro Desemprego 2019: Calculadora, Parcelas

Cálculo Seguro Desemprego 2019: Calculadora, Parcelas
5 (100%) 1 vote

Entenda a base utilizada  no cálculo do Seguro Desemprego 2019 e quantas parcelas o trabalhador tem direito. É interessante entender como fazer a fim de obter o cálculo do Seguro Desemprego 2019 e quais são os procedimentos necessários com foco em adquiri-lo.

O trabalhador desempregado, conta com o benefício do Governo Federal durante um determinado período, o Seguro Desemprego 2019, se deseja ter um auxílio de renda enquanto busca nova oportunidade de recolocação no mercado de trabalho. Porém, esse benefício, conforme o nome sugere, Seguro Desemprego, não é algo vitalício, mas, sim calculado considerando o tempo de serviço de cada trabalhador.

Somente empregados efetivados na modalidade de emprego formal podem solicitar o Seguro Desemprego 2019, ou seja; que tenham trabalhado com carteira assinada e atenda os requisitos exigidos a fim de receber o benefício.

Profissionais que atuam na condição de autônomos, por conta própria, não têm direito ao recebimento do Seguro Desemprego 2019.

Regras de pagamento e cálculo das parcelas do Seguro Desemprego 2019.

O Governo Federal determinou novas regras do Seguro Desemprego, sendo assim, o trabalhador precisa melhor se informar sobre seus direitos e, caso um dia precise, saiba como proceder. As informações são úteis do mesmo modo quem para dar entrada na solicitação do benefício.

Veja a tabela de parcelas do novo Seguro Desemprego 2019.

– 4 Parcelas no primeiro pedido: Trabalhou por 18 meses.

– De 4 a 5 parcelas no segundo pedido: Trabalhou por um período de 12 meses.

– 3, 4 ou 5 Parcelas no terceiro pedido: Trabalhou por 6 meses.

O trabalhador que fizer o quarto pedido, a regra fica valendo de 6 meses de registro na Carteira de Trabalho.

Entenda como funciona o cálculo do Seguro Desemprego 2019.

O cálculo é feito levando em conta vários fatores, mas é possível utilizar uma regra básica que aproxima bastante do valor a ser recebido pelo trabalhador que não tiver sido demitido por justa causa.

Quem recebia até R$ 1.360,70 deve multiplicar o valor por 0.8.

O trabalhador quem recebia entre R$ 1.360,71 e R$ 2.268,05 multiplique por 0.5 e somar com 1.088,56.

Os empregados que recebia acima de R$ 2.268,05 receberá somente R$ 1.542,24.